Metodologias

ONE MINUTE PAPER
O one minute paper (artigo em um minuto) é uma ferramenta que  tem por objetivo estimular os alunos a escreverem em um pedaço ou folha de papel as suas ideias sobre o tema proposto no período de 1 minuto. O seu uso permite aos alunos organizarem o seu conhecimento sobre determinado assunto, o que tornará mais propício a participação deles quando solicitados. Além disso, oportuniza ao professor localizar em ponto os alunos se encontram a respeito do tema. A seguir, um exemplo de one minute paper feito por um aluno  durante a realização da aula 1, presente na página planos desse blog.



PADLET
O Padlet é uma ferramenta para a produção do conhecimento ocorra de forma colaborativa. Constitui-se em uma espécie de mural virtual, no qual os seus usuários fazem postagens, que podem ser curtidas, respondidas, conectadas a outras postagens e, dependendo do nível de acesso, até editadas. Todo esse dinamismo possibilita bastante interatividade entre os usuários. Um dos pontos a serem destacadas dessa ferramenta, é a sua gratuidade.
Por ser um recurso que estimula a participação coletiva por meio do diálogo e de comportamentos solidários, o Padlet pode proporcionar contribuições valiosas no processo de ensino e aprendizagem. Ao romper com os limites do espaço físico, ele traz inúmeras possibilidades de ação para que professores e alunos potencializem o processo de construção do conhecimento.
Assim, o Padlet foi utilizado nesse trabalho com o objetivo de promover uma participação mais ativa dos alunos na aquisição do conhecimento. Em razão de ser a primeira experiência com essa ferramenta por parte dos alunos e do professor, houveram algumas limitações nos resultados alcançados. Em todo o caso, o Padlet demonstrou ser um recurso muito útil, que propiciou o aumento da participação dos alunos no processo de ensino e aprendizagem. A seguir, encontram-se algumas fotos do Padlet utilizado na experiência e, caso queiram acessá-lo, clique aqui.





PROJETO INTEGRADOR
O projeto integrador é uma proposta que aproxima diferentes áreas do conhecimento tendo como referência um tema comum, sendo que a sua concepção, planejamento, execução e avaliação  ocorre por meio do trabalho coletivo entre as disciplinas participantes.
Silva (2014) aponta seis contribuições que o projeto integrador proporciona a efetivação do currículo integrado: 1) direcionamento para a realização do trabalho coletivo entre os docentes e a articulação entre as áreas do conhecimento. 2) Incentiva os estudantes a se dedicarem tanto a temas da formação básica quanto da formação técnica. 3) mobiliza esforços para a solução de problemas científicos e sociais. 4) Promove o envolvimento com a pesquisa e com a importância de se relacionar saberes e informações. 5) Associa a teoria e a prática. 6) Fomenta o progresso individual e coletivo.
As vivências e os desdobramentos do projeto integrador indicam a necessidade de se valorizar o papel dos sujeitos participantes da proposta e da bagagem de conhecimentos que possuem. Desse modo, possibilita-se aos estudantes um maior protagonismo no seu processo de aprendizagem e a construção de um conhecimento com maior significância, visto que tem como ponto de partida as suas próprias experiências.
O êxito de um projeto integrador está condicionado a vários aspectos, tais como, um novo arranjo curricular e dos conteúdos, tempo para o planejamento coletivo, predisposição para o trabalho coletivo, condições materiais e estruturais. Na verdade, esses fatores são os principais entraves para o seu desenvolvimento (SILVA, 2014).
       De acordo com Henrique e Nascimento (2015) há duas atitudes necessárias para a concretização de um PI. A primeira está relacionada aos professores, em que eles deverão aceitar e se comprometer com a proposta. O estabelecimento do diálogo entre diferentes campos do saber demanda entendimento e respeito para com a diferença e a diversidade, bem como uma predisposição para se relacionar. A segunda se refere as condições concretas de tempo e espaço, nas instituições de ensino, para que se conceba a proposição.
A partir das ideias apresentadas, podemos constatar que o projeto integrador pode contribuir de forma significativa para o aprendizado, inclusive com temas não tão comuns no ambiente escolar, como as corporalidades indígenas. Na pesquisa de mestrado que culminou com a elaboração deste blog, em parte de sua metodologia foi desenvolvido um projeto integrador.
O projeto integrador da pesquisa foi composto por sete disciplinas, quais sejam, educação física, filosofia, história, língua portuguesa, língua espanhola, química (núcleo comum) e redes (núcleo técnico). Como pontos positivos da experiência, podemos citar a viabilidade da aproximação das áreas do conhecimento e a satisfação dos alunos com a percepção do conhecimento de forma integrada e uma menor quantidade de atividades avaliativas. Como pontos negativos,  a falta de tempos e espaços adequados para a sistematização da proposta e o não comprometimento de todos os participantes.
A seguir, indico alguns trabalhos caso haja interesse em ter um referencial para o desenvolvimento de um projeto integrador:
REFERÊNCIAS
HENRIQUE, Ana Lúcia Sarmento; NASCIMENTO, José Mateus do. Sobre práticas integradoras: um estudo de ações pedagógicas na educação básica. Holos (Natal. Online), v. 4, p. 63-76, 2015.
SILVA, Adriano Larentes da. Currículo Integrado. 1. ed. Florianópolis: Editora do IFSC, 2014. 97p.

Nenhum comentário:

Postar um comentário