Aula 6


Tema: Práticas corporais indígenas – jogos tradicionais 4
Duração: 50 min
Objetivos: Identificar a importância dos jogos na formação do indivíduo nas sociedades ameríndias, conhecer as principais características dos Panará e dos Canela Apanyekrá, vivenciar jogos tradicionais da etnia.
Introdução:
- Para iniciar, relembrar, resumidamente, a aula anterior e apresentar os objetivos da aula vigente.
- Na sequência, como os jogos a serem desenvolvidos nessa aula são dos Panará e dos Canela Apanyekrá, apresentar informações, de forma sucinta, a respeito dessa etnia: localização, organização social, rituais e a importância das práticas corporais em sua cultura. Para subsidiar esse tópico, há algumas sugestões de leitura ao final do plano.
Desenvolvimento:
- O primeiro jogo a ser vivenciado será o “Onça”, que está vinculado a etnia Panará. um dos participantes será a onça, outro o pekã (pássaro) e os demais serão os porcos, que deverão ficar em fila sentados com as pernas afastadas. Quando o pekã der o sinal, o último porco deverá ir para a frente da fila sem ser pego pela onça. Aqueles que forem sendo pegos vão saindo. Quando diminuir consideravelmente o número dos porcos ou todos forem pegos, termina.
- O segundo será  “Uiraçu (Gavião)”, que está relacionado a etnia Canela Apanyekrá. Um aluno será o gavião e os demais formarão uma fila, organizada em formato decrescente de acordo com a altura dos participantes. Cada aluno deverá abraçar forte o colega da frente, com os dois braços passando por baixo dos braços do colega. O gavião, solto, grita "Piu" (tenho fome). O primeiro da fila mostra suas pernas "Tu senan síni?" (quer isto?). O gavião diz "é pela" (não quero) a todos eles, menos para o último a quem diz "Iná!" (sim) e sai correndo atrás dela. O grupo, sempre abraçado, tenta cercar a ave. Se o gavião agarrar o participante, leva-o para o seu ninho (um espaço delimitado pelo professor). O jogo continua até que o gavião agarre todos os outros participantes, sempre respeitando a ordem.
Conclusão:
- Para encerrar, relembrar os conceitos trabalhados juntos aos alunos e como os jogos vivenciados são importantes dentro das culturas Panará e Canela Apanyekrá. Para subsidiar esse tópico, há algumas sugestões de leitura ao final do plano.
Ampliando o conhecimento:
GRANDO, Beleni Salete. Jogos e Culturas Indígenas: possibilidades para a educação intercultural na escola. Cuiabá-MT: EdUFMT, 2010. 172p.
____________; SOARES, Khelle Cristina Pires. CAÇA ÀS KRENTI: Criando corpo e infância entre os Akwê-Xerente. Crítica Educativa, v.2, p. 62-73, 2016.
KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. Cortez, São Paulo, 1996.
PIB SOCIOAMBIENTAL. Canela Apanyekrá. Disponível em: https://pib.socioambiental.org/pt/Povo:Canela_Apanyekr%C3%A1 Acesso em: 30 de outubro de 2019.
PIB SOCIOAMBIENTAL. Panará. Disponível em: https://pib.socioambiental.org/pt/Povo:Panar%C3%A1Acesso em: 30 de outubro de 2019.
*Sugestões para as atividades:
- No primeiro jogo, “onça”, é importante se atentar alguns pontos que podem ficar soltos e prejudicar o desenvolvimento da atividade, sobretudo dependendo da idade dos participantes. Por exemplo, definir a direção que “onça” deverá seguir para tentar a captura e o tempo que os “porcos” terão pra se deslocar são elementos importantes e que deverão ser normatizados.
- No segundo jogo, “gavião”, o seu formato deverá se adequar as características dos participantes e a sua quantidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário